Rodovias - 22 de Novembro de 2021 - 15h07

​Pedágios no Paraná são suspensos a partir deste sábado dia 28

Com o encerramento dos contratos dos pedágios nas rodovias do Paraná, a partir desse sábado (28), o estado não contará mais com cobrança de tarifas em suas estradas.

Atualmente, 2.505,2 quilômetros de rodovias federais e estaduais compõem o Anel de Integração e são administradas pelas concessionárias Econorte, Viapar e Ecocataratas.

Esses contratos foram firmados em 1997, durante a gestão do então governador Jaime Lerner. Ao longo dos anos, as três concessionárias se envolveram em diversos casos de corrupção.

Diante disso, o Governo do Paraná decidiu adiar os novos leilões de concessões e administrar, por pelo menos um ano, o Anel de Integração.

O governo estadual afirma que está preparando para manter essas rodovias por até dois anos, caso isso seja necessário. Em setembro, o DER (Departamento de Estradas e Rodagem) do estado lançou um edital para contratar serviços de conservação do “anel de integração”.

A licitação prevê gastos de até R$ 135 milhões com serviços durante até 730 dias.

Além disso, na última quinta-feira (18), o DER também lançou o edital de licitação para contratar uma empresa que irá fazer os serviços de guinchos pelo período de um ano.

Por enquanto, o Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), prestarão socorro médico aos usuários das rodovias.

1 ano sem pedágio

Conta do pedágio liberado em tempo de coronavírus ficaria para o usuário

A expectativa é que o novo leilão da concessão das rodovias ocorram apenas no último trimestre de 2022, sendo leiloados 3,3 mil km de estradas federais e estaduais, divididas em seis lotes.

O modelo do leilão foi definido numa parceria entre governo federal e estadual e visa reduzir as tarifas do pedágio entre 40% e 50%. Por isso, vencerá a concorrência a empresa que se comprometer a administrar cada lote de estradas cobrando o menor valor dos usuários.

As empresas vencedoras terão que investir R$ 43 bilhões em melhorias em dez anos. Esse valor cobrirá, entre outras coisas, a duplicação de 1,7 mil quilômetros de estradas.

Fora o investimento, outros R$ 35 bilhões deverão ser gastos pelas concessionárias para manutenção e operação das rodovias durante os 30 anos de contrato.

Fonte: Jornal do Caminhoneiro

Compartilhar:

Veja também

Todos os direitos reservados. Campo Erê.com. 2021